terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Como se fosse o ultimo dia

                Nascemos, morremos e depois? Depois nada?
Será que a morte é um fim em si mesma? E você, não aprendeu nada com a morte? Viver é algo muito efêmero, por isso viva tudo que há para se viver. Não vê, esse pode ser o seu ou o meu último dia de vida.
A morte não faz distinção, é algo sem escolha, não tem hora, lugar, nem motivo. É um pesadelo ardiloso, não tem volta, somente deixa a dor e a perplexidade a todos os que ficam, além da angústia, a saudade e a certeza de que aquele é o fim. Ela chega sorrateiramente sem que possamos nos antecipar e nos prevenir, chega em dias que não podemos prever. Mas e se pudéssemos? Se tivéssemos o conhecimento sobre o dia em que iríamos morrer ou que perder alguém amado, talvez agíssemos diferente, talvez valorizássemos mais as nossas incertas 24 horas, e aproveitaríamos cada instante de um instante, sem medo.
Você já perdeu alguém que amou muito, mas que por orgulho, fraqueza ou mesmo por comodidade e desleixo, nunca parou um segundo sequer para dizer que o amava? Se nunca passou por essa situação, não a desejo, saiba é horrível, algo que simplesmente não tem explicação, ou a única explicação cabível não seria possível sem dor ou tristeza. Já perdi algumas pessoas durante a minha vida, algumas perdi pra morte, mas outras, no entanto, perdi pra tempo, e esse assim como a morte é implacável. Esse alguém que perdi pra o tempo, foi alguém importante, mas que por circunstâncias da vida preferiu seguir sua vida sozinho, viver novas experiências. No entanto, a vida me trouxe novamente o amor e me deu alguém para amar, me fez escrever um novo futuro, com novos desafios, e principalmente, me deu a felicidade.
              Inevitavelmente, a morte um dia vai chegar para mim, para você, para todos, e após apenas ficarão as lembranças. Por isso, é preciso viver cada dia como se fosse o último, perdoar os erros imperdoáveis, substituir os (imagináveis) insubstituíveis e esquecer os inesquecíveis, sem deixar nada para depois.
Quero que me ame hoje, como se não pudesse amanhã, mesmo que ainda exista uma grande chance de existir um novo dia. Também quero te amar intensamente, intimamente e infinitamente, aqui, agora, mais e mais, em todas as incertas 24 horas, pois o amor verdadeiro é aquele conquistado todos os dias, não mede palavras, gestos ou companhia. Sei que a morte vai chegar, mas até lá quero viver feliz ao lado de pessoas iguais como você.                   

Até que a morte nos separe...”
"Eu te amo!".

Laura Guimarães
(foto By google)

6 comentários:

  1. hehe,gostei^^

    Estou te seguindo,me segue tbm por favor?

    trollagemvirtual.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá! No momento estou apenas te seguindo, mas prometo voltar e comentar em breve suas postagens!Agradeceria se seguisse o meu blog, assim criamos um vínculo que facilite a divulgação de ambos os blogs! passa lá?
    http://medicinepractises.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Me lembra aquela música do Chico Buarque

    Amou daquela vez como se fosse a última...
    Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe...
    E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
    E flutuou no ar como se fosse um pássaro
    E se acabou no chão feito um pacote flácido
    Agonizou no meio do passeio público
    Morreu na contramão atrapalhando o tráfego.

    Parabéns pelo Blog.

    ResponderExcluir
  4. Bem romântica!
    Gostei do texto!

    Faremos tudo hoje mesmo!

    Beijão

    http://leia-atentamente.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. - eu AMEI seu texto, incrível.

    estou te seguindo, sem dúvidas.

    ResponderExcluir
  6. ah, o amor!!

    Lindo!! Que beleza esse povo apaixonado!
    Adorei!! E to adorando o blog, ta lindoooo!!

    ResponderExcluir